Bem vindo ao site Itapetinganahora.com

Grupoks avisa: Site em manutenção temporária,mas está funcionando normalmente.
Comerciante já não aguenta mais com um vazamento no seu registro  de água, que da acesso o  seu comercio. O mesmo tenta aperta mais não consegue. Segunda informação  da vizinhança é  de  responsabilidade do SAAE(Saneamento de Aguá e Esgoto).o vazamento.

O comerciante comenta que  todas vez que abrir ou fecha o registro é um esperdício de água, com vazamento  constante na frente do seu estabelecimento. O mesmo já comunicou  o serviço de água e esgoto do SAAE e nem uma providencia foi tomada.

O comerciante comenta que precisa de a vedamento no no canos onde estar o vazamento. o mesmo fica  preocupado  do esperdício de Aguá no parceio do seu estabelecimento localizado na Av: Flamengo, frente a praça Mario Rosa no Mario Rosa no bairro Primavera.




Postado por : www.Itapetinganahora.com.br

Beija-mão: Aécio Neves e Marina Silva tiveram suas campanhas eleitorais financiadas por empresas suspeitas.

Valor não inclui doações efetuadas para o segundo turno, cujo prazo de prestação de contas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) se encerra na próxima semana

O “clube” formado pelas empreiteiras acusadas de integrar o esquema de corrupção denunciado à Justiça pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, no âmbito da operação Lava Jato da Polícia Federal, repassou R$ 160,7 milhões aos principais partidos de oposição ao governo federal no Congresso Nacional. Do total, R$ 129,34 milhões foram destinados ao PSDB, R$ 15,85 milhões ao DEM e R$ 15,57 milhões, ao PSB.

O “clube”, como os próprios membros se autodenominam nos grampos autorizados pela Justiça  é formado por dez empresas investigadas por  formação de cartel destinado a controlar as obras da estatal em projetos de expansão e construção de polos petroquímicos, refinarias e extração de petróleo.

Além das construtoras Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão, Iesa, Engevix e Toyo Setal, o grupo reconhecia dentro do próprio esquema uma hierarquização que classificava como “VIP” as suas comparsas Camargo Correa, UTC, OAS, Odebrecht e Andrade Gutierrez, consideradas as maiores do país.

As doações contribuíram para eleger candidatos tucanos como os governadores Geraldo Alckmin (SP) e Beto Richa (PR) e os senadores  José Serra (SP), Álvaro Dias (PR), Antônio Anastasia (MG).

Também financiou candidaturas tucanas derrotadas à Presidência e governos estaduais, como as do senador mineiro Aécio Neves e Pimenta da Veiga, que concorreu e perdeu o governo de Minas para o petista Fernando Pimentel.

Os recursos financiaram, ainda, a candidatura da ex-senadora Marina Silva (PSB), sucessora dos recursos destinados ao falecido ex-governador pernambucano Eduardo Campos, candidato socialista morto em 13 de agosto na queda do avião Cessna Citation em Santos (SP), em que viajava para compromissos eleitorais no Guarujá.

Valor parcial – Para obter os dados relativos ao repasse de financiamento eleitoral, a Agência PT de Notícias fez  minucioso levantamento no sistema compulsório de prestação de contas de partidos e candidatos, disponível na página do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na internet. Os dados ainda não são definitivos e podem ser ainda maiores. As doações aos candidatos que foram ao segundo turno, como Aécio Neves, são apenas parciais. Referem-se aos valores efetivamente repassados antes de 5 de outubro, data do primeiro turno de votação.

O valor de R$ 160,7 milhões diz respeito apenas às doações aos partidos, que são apresentadas destacadamente dos valores repassados individualmente a cada candidato. Desse subtotal ainda não constam as doações do segundo turno das eleições realizadas em 26 de outubro, cujo prazo para prestação de contas à Justiça Eleitoral encerra-se na próxima terça-feira, dia 25, exatos 30 dias após o término do pleito.

Apesar disso, os dados mostram que as construtoras Odebrecht e OAS doaram R$ 2 milhões cada uma ao candidato tucano apenas na primeira etapa da eleição. Individualmente, Aécio Neves recebeu doações totais de quase R$ 40,7 milhões até o dia 2 de setembro, última prestação relatada pelo TSE na web.

O maior arrecadador do grupo oposicionista é o PSDB. Ao diretório nacional foram destinados pouco mais de R$ 165 milhões e, ao comitê presidencial, R$ 140,6 milhões. O partido foi a quem o ”clube” destinou maior volume de dinheiro para campanha: pouco mais de R$ 78 milhões, ou cerca de 55% dos recursos de financiamento ao candidato à Presidência.

O DEM aparece em segundo lugar, com pouco mais de R$ 53 milhões de arrecadação total, sendo que R$ 15,8 milhões saíram do “clube”. Como não tinha candidato próprio ao Planalto, não há registro de doações ao comitê presidencial do partido.

Já PSB recebeu quase R$ 36 milhões em doações até o primeiro turno, segundo o TSE. Cerca de 40% do total, ou seja, R$ 15,57 milhões, tiveram origem no “clube”, sendo R$ 10,6 milhões registrados em nome do diretório nacional e os demais R$ 4,95 milhões no comitê presidencial.



Por Márcio de Morais, da Agência PT de Notícias
Postado por: www.Itapetinganahora.com.br

O padre Mario Roberto Gomes, responsável pela igreja do bairro de Pontezinha, Cabo de Santo Agostinho, Região Metropolitana do Recife, foi preso em flagrante por volta de 22h desta última quinta-feira (20), juntamente com uma mulher e um homem, que não tiveram, os nomes revelados. 

Além dos 170 quilos de maconha, que estavam escondidos dentro da igreja, policiais do Departamento de Repreensão ao Narcotráfico (Denarc), também apreenderam um revolver calibre 38 e uma carteira de autoridade eclesiástica. Os envolvidos, inclusive o Padre Mario Roberto, juntamente com as drogas e arma apreendidas, seguem à disposição da justiça. (JC). Por verdinho de Itabuna.
Quatro morreram em batida frontal entre carro e micro-ônibus em SC (Foto: Montagem/Facebook)

Quatro amigos morreram em um acidente na noite desta quinta-feira (20) depois que o carro em que estavam bateu de frente contra um micro-ônibus em Santa Catarina. O grupo, que havia saído da cidade de Irani, viajava em um Fusion que bateu no veículo que havia saído de Florianópolis.

Tadeu Loraschi, 23 anos, Cristiano Monteiro, 27 anos, e Marlon Kuchenbecker, 26 anos, morreram no local. O motorista Marcos Farinella, 29 anos, chegou a ser socorrido por uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas não resistiu e morreu.

O acidente aconteceu por volta de 22h30 no km 196 da BR-282. No ônibus, quatro pessoas sofreram ferimentos leves.
Por : Verdinho itabuna

Apresentação do assunto



A Lei nº 12.846/13, em vigor desde o início de 2014, batizada "Lei Anticorrupção", centraliza seus comandos normativos e punitivos nas pessoas jurídicas, impondo-lhes responsabilidade objetiva administrativa e civil pelos atos lesivos à administração pública cometidos em seu proveito ou benefício, exclusivo ou não.

Sua natureza não é a de uma lei penal, que incrimine fatos, crie novas penas ou aumente sanções criminais já previstas em outras, muito embora setores da doutrina insistam em emprestar-lhe tal aspecto.

Também não é uma lei que qualifique fatos de hediondos ou algo assemelhado, como se isso fosse suficiente e eficaz para inibir a ocorrência do ilícito - em tramitação no Congresso Nacional, projeto de lei para incluir o crime de corrupção no rol dos crimes hediondos.

Mas é uma lei que, pelo rigor de suas disposições, prestígio e poder que reconhece e outorga aos órgãos de controle dos três níveis da administração pública, possui aptidão jurídica para prevenir e punir a corrupção, as fraudes nas licitações e os ilícitos em contratos contra o poder público.

Geralmente, as pessoas jurídicas, principais beneficiárias pela corrupção no setor público, via-de-regra não recebem a devida punição da ordem jurídica. Tradicionalmente são protegidas, imunes e impunes, pela responsabilização aos seus representantes ou dirigentes, de cunho estritamente pessoal. Nas situações em que sofrem reprimenda por fraudes em licitações públicas ou improbidades administrativas em concurso com agentes públicos, ficam apenas proibidas de contratar com o poder público ou desprestigiadas pela declaração de inidoneidade, sanções nem sempre proporcionais ao elevado grau de lesividade dos fatos de que são e mereceriam ser juridicamente responsabilizadas.

A corrupção, fenômeno que também se dá nas relações dentro do setor privado, tem seu maior cenário de ocorrência no setor público, quando produz perniciosos efeitos à sociedade, ao desenvolvimento e à credibilidade do país. Os recursos públicos são desviados da finalidade social a que se destinam, as cidades e suas obras sofrem as consequências disso, a população deixa de receber os serviços estatais essenciais à melhoria da qualidade de suas vidas, a concorrência torna-se desleal, prejudicando a livre iniciativa e a igualdade de oportunidades. Não fosse o bastante para ditar o seu enérgico combate, desestimula o investimento estrangeiro, compromete o desenvolvimento e afeta a credibilidade do Brasil. Precisa ser combatida por todos.

MISSÃO DA NOVA LEI

Nessa perspectiva de combate à corrupção, lei têm a missão de "reforçar" a proteção jurídica da administração pública frente aos ataques a que está exposta realizados em benefício ou proveito de pessoas jurídicas (art. 1º).

Reforçar no sentido de "acrescer" à proteção jurídica já existente. Exatamente por isso, a aplicação das sanções nela previstas não impede ou afeta a punição pelos atos de improbidade administrativa (Lei nº 8.429/92), pelas fraudes nos procedimentos licitatórios (nº 8.666/93), pelos ilícitos em contratos com a administração pública (art. 30) ou pelos crimes de seus membros ou representantes tipificados na legislação penal.

A administração pública, que assim tem sua proteção jurídica reforçada relativamente aos atos de corrupção, não é apenas a nacional ou brasileira - União Federal, estados-membros e municípios. A tutela legal também alcança a administração pública estrangeira por atos lesivos cometidos no Brasil e, inclusive, no exterior. O art. 28 da lei prevê o suborno transnacional, o que permite, pela aplicação extraterritorial da norma, a punição de atos de corrupção por pessoas jurídicas nacionais realizados fora do país, e, por força do seu art. 5º, administração pública estrangeira engloba todos os órgãos e entidades estatais ou representações diplomáticas de país estrangeiro, de qualquer nível ou esfera de governo, as pessoas jurídicas controladas, direta ou indiretamente, pelo poder público de país estrangeiro, e as organizações públicas internacionais, por expressa equiparação (art. 5º, §§ 1º, 2º e 3º).

SIGNIFICADO DE RESPONSABILIDADE OBJETIVA

O “reforço jurídico” em que consiste e significa a missão da Lei Anticorrupção, encontra na responsabilidade objetiva, administrativa e civil, seu principal instrumento de efetivação (art. 2º). Responsabilidade objetiva é uma forma de responsabilização sem culpa, que não depende de um nexo subjetivo, como relação psíquica, entre o agente e o fato, no sentido de consciência e vontade em realizá-lo visando proveito próprio à custa de lesão à administração pública. Basta a relação causal objetiva – o ato de corrupção e o benefício ou proveito em favor da pessoa jurídica, independentemente da concreta obtenção do benefício visado pelo ato ilícito (art. 3º, § 1º). A responsabilização da pessoa jurídica não exclui a responsabilidade individual de seus dirigentes ou administradores ou de qualquer pessoa natural, autora, coautora ou partícipe do ato ilícito (art. 3º), e é independente desta (§ 1º do art. 3º).

PESSOAS JURÍDICAS DESTINATÁRIAS

As destinatárias do seu regramento punitivo são as pessoas jurídicas em geral, ou seja, as sociedades empresárias e as sociedades simples, personificadas ou não, as fundações, as associações de entidades ou de pessoas e as sociedades estrangeiras que tenham sede, filial ou representação no território brasileiro, constituídas de fato ou de direito, ainda que temporariamente. Os entes que não tenham personalidade serão representados pela pessoa a quem couber a administração de seus bens (arts. 1º, § 1º, e 26, § 1º).

Enganam-se, pois, aqueles que pensam seja uma lei exclusivamente direcionada às pessoas jurídicas que operem apenas ou preferencialmente com o poder público. Bem verdade, as pessoas jurídicas que têm no poder público o principal cliente e fazem da corrupção uma estratégia de expansão dos seus negócios correm maiores riscos. Mas, e é importante salientar, toda e qualquer pessoa jurídica está sujeita aos seus ditames. Tamanho é o feixe de relações das pessoas jurídicas com o poder público, especialmente pela burocracia ainda intensa, elevada quantidade e sobreposição de normas de regulamentação e de órgãos de controle e fiscalização, que a lei poderá apanhar fundações, institutos, órgãos de classe, associações comerciais, clubes sociais, entidades representativas das indústrias, sociedades de profissionais e até condomínios por atos ilícitos próprios ou de terceirizados.

Considerando a responsabilização objetiva que impõe, será irrelevante, como inibidor à incidência e aplicação das penalidades, o argumento de desconhecimento, de falta de ciência e aquiescência do proprietário, dirigente ou do órgão controlador da empresa, sociedade, associação, instituto ou da pessoa jurídica em geral, com a corrupção consumada ou tentada. Suficiente tenha sido o ato realizado em proveito ou benefício da pessoa jurídica, exclusivo ou não – pode ter sido também em proveito pessoal do agente do ato. Assim, poderá ser o ato de corrupção de um simples despachante encarregado da aprovação do plano de combate a incêndio da entidade, ou o de um renomado escritório de contabilidade, ou de advocacia, na busca de resolução de uma infração tributária atribuída à pessoa jurídica cliente, por exemplo.

Também de referir, por expressa disposição (art. 4º, §§ 1º e 2º), as alterações contratuais eventualmente ocorridas após a prática do fato ilícito não elidem a respectiva responsabilidade e punição. Apenas na fusão e incorporação, a responsabilidade da sucessora será restrita à obrigação de pagamento de multa e reparação integral do dano causado, até o limite do patrimônio transferido, não lhe sendo aplicáveis as demais sanções previstas decorrentes de atos e fatos ocorridos antes da data da fusão ou incorporação (salvo se houver simulação ou evidente intuito de fraude). As sociedades controladoras, controladas, coligadas ou, no âmbito do respectivo contrato, serão solidariamente responsáveis pela obrigação de pagamento de multa e reparação integral do dano causado.

FATOS PUNÍVEIS

Os fatos que seleciona e tipifica (art. 5º), por reputá-los lesivos ao patrimônio público nacional ou estrangeiro, aos princípios da administração pública ou aos compromissos internacionais assumidos pelo Brasil, são os seguintes:

(a) prometer, oferecer ou dar, direta ou indiretamente, vantagem indevida a agente público, ou a terceira pessoa a ele relacionada;

(b) financiar, custear, patrocinar ou de qualquer modo subvencionar a prática dos atos ilícitos;

(c) utilizar-se de interposta pessoa física ou jurídica para ocultar ou dissimular seus reais interesses ou a identidade dos beneficiários dos atos praticados;

(d) frustrar ou fraudar, mediante ajuste, combinação ou qualquer outro expediente, o caráter competitivo de procedimento licitatório público;

(e) impedir, perturbar ou fraudar a realização de qualquer ato de procedimento licitatório público;

(f) afastar ou procurar afastar licitante, por meio de fraude ou oferecimento de vantagem de qualquer tipo;

(g) fraudar licitação pública ou contrato dela decorrente; criar, de modo fraudulento ou irregular, pessoa jurídica para participar de licitação pública ou celebrar contrato administrativo; obter vantagem ou benefício indevido, de modo fraudulento, de modificações ou prorrogações de contratos celebrados com a administração pública, sem autorização em lei, no ato convocatório da licitação pública ou nos respectivos instrumentos contratuais;

(h) manipular ou fraudar o equilíbrio econômico-financeiro dos contratos celebrados com a administração pública;

(i) dificultar atividade de investigação ou fiscalização de órgãos, entidades ou agentes públicos, ou intervir em sua atuação, inclusive no âmbito das agências reguladoras e dos órgãos de fiscalização do sistema financeiro nacional.

PENALIDADES COMINADAS

As penalidades estabelecidas podem ser aplicadas pela própria administração (federal, estadual e municipal) ou apenas pela via judicial. São, portanto, segundo a fonte de sua incidência, classificáveis em penalidades administrativas e penalidades judiciais, aplicáveis, conveniente registrar, isolada ou cumulativamente, e não excluem a obrigação da reparação integral do dano causado (art. 6º, § 3º).

As penalidades administrativas, da alçada da administração pública lesada, no nível federal, estadual ou municipal, são as seguintes:

(a) multa, no valor de 0,1% a 20% do faturamento bruto do último exercício anterior ao da instauração do processo administrativo, excluídos os tributos, a qual nunca será inferior à vantagem auferida, quando for possível sua estimação (art. 6º, inc. I); caso não seja possível utilizar o critério do valor do faturamento bruto, a multa será de seis mil a sessenta milhões de reais (art. 6º, § 4º); e

(b) publicação extraordinária da decisão condenatória (art. 6º, inc. II), na forma de extrato de sentença, a expensas da pessoa jurídica, em meios de comunicação de grande circulação na área da prática da infração e de atuação da pessoa jurídica ou, na sua falta, em publicação de circulação nacional, bem como por meio de afixação de edital, pelo prazo mínimo de trinta dias, no próprio estabelecimento ou no local de exercício da atividade, de modo visível ao público, e no sítio eletrônico na rede mundial de computadores (art. 6º, § 5º).

As penalidades que dependem de decisão judicial e que podem incidir de forma isolada ou cumulativa, através do ajuizamento de ações com o trâmite da ação civil pública (art. 21), pelas advocacias públicas ou órgãos de representação judicial da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, ou pelo Ministério Público (art. 19, caput), são as seguintes:

(a) perdimento dos bens, direitos ou valores que representem vantagem ou proveito direta ou indiretamente obtidos da infração, ressalvado o direito do lesado ou de terceiro de boa-fé (art. 19, I);

(b) suspensão ou interdição parcial de suas atividades (art. 19, II);

(c) proibição de receber incentivos, subsídios, subvenções, doações ou empréstimos de órgãos ou entidades públicas e de instituições financeiras públicas ou controladas pelo poder público, pelo prazo mínimo de um e máximo de cinco anos (art. 19, IV); e

(d) dissolução compulsória da pessoa jurídica quando comprovado ter sido a personalidade jurídica utilizada de forma habitual para facilitar ou promover a prática de atos ilícitos, ou ter sido constituída para ocultar ou dissimular interesses ilícitos ou a identidade dos beneficiários dos atos praticados (art. 19, incs. I a IV).

OUTROS TEMAS

Dosimetria das penas (art. 7º), compliance (art. 7º, VIII) e acordo de leniência (art. 16) são outros importantes temas da lei, e serão examinados oportunamente, em artigos específicos. Pretendeu-se, neste, a apresentação do assunto.


Por - Jusbrasil.  Carlos Otaviano Brenner de Moraes.
Postado Por : www.itapetinganahora.com.br

Durante discurso na Conferência Nacional de Educação, a presidenta afirmou que as contribuições da sociedade devem nortear as ações do governo



A presidenta Dilma Rousseff defendeu, nesta quinta-feira (20), em Brasília, durante a Conferência Nacional de Educação, a participação da sociedade nas decisões do poder público. O decreto 8243/2014, editado por Dilma para criar a Política Nacional de Participação Social, sofre ataques no Congresso Nacional e foi derrubado por um projeto de lei da Câmara dos Deputados.

A proposta contra o decreto que estimula a participação dos conselhos, movimentos sociais e da população em medidas do governo, agora passa por avaliação no Senado. “A inclusão social é também a inclusão popular nas políticas públicas. Isso não é uma dádiva do governo, é uma conquista da sociedade brasileira, que deve ser respeitada”, afirmou Dilma.

A presidenta afirmou esperar que a conferência produzisse as bases para a regulamentação do Plano Nacional de Educação. “Esperamos subsídios para que a política de Estado, levada a cabo pelo governo federal na educação profissional e no ensino superior, tenham expansão continuada, o que é decisivo para o futuro do nosso país”, disse.

O decreto, assinado pela presidenta Dilma Rousseff, em maio deste ano, estimula a participação de conselhos, movimentos sociais e da população em medidas do governo. De acordo com a publicação, a Política Nacional de Participação Social foi instituída com o objetivo de fortalecer e articular os mecanismos e as instâncias democráticas de diálogo, como a Conferência Nacional da Educação, e a atuação conjunta entre a administração pública federal e a sociedade civil.

Desta forma, será possível fazer com que administração pública federal e sociedade civil trabalhem em conjunto. Na prática, nada muda com o decreto presidencial. A sinalização, no entanto, é para a abertura do diálogo entre população e governo.

Além disso, o documento não cria novos conselhos, não altera a forma de atuação deles e também não constitui controle por parte do governo. Ainda segundo o decreto, a administração pública federal não é obrigada, necessariamente, a seguir decisões tomadas pelos conselhos.

Por Tiago Falqueiro, da Agência PT de Notícias
Postado por: www.itapetinganahora.com.
br



Representantes dos órgãos participaram do I Seminário Internacional WWP – Um Mundo Sem Pobreza e disseram que Brasil é referência mundial. Margaret Grosh, do Banco Mundial: o Bolsa Família deveria ser conhecido no mundo todo para aprendermos

Para o Banco Mundial e a Organização das Nações Unidas (ONU), as ações implantadas pelo Brasil para redução de desigualdades e combate à fome são referência mundial. De acordo com a economista-chefe de Desenvolvimento Humano na América Latina e Caribe do Banco Mundial, Margaret Grosh, e o diretor do escritório de Apoio a Políticas e Programas do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), Magdy Martínez-Solimán, a experiência brasileira é exemplo de sucesso.


“O Bolsa Família deveria ser conhecido no mundo todo para aprendermos. Há muito a se celebrar com tudo que já foi alcançado pelo Bolsa Família e o Brasil já deu mais um passo com as ações de inclusão produtiva do Plano Brasil Sem Miséria”, disse Margaret, durante exposição no I Seminário Internacional WWP – Um Mundo Sem Pobreza, nesta terça-feira (18), em Brasília.

A economista destacou a importância do Cadastro Único (CadÚnico) e da articulação entre as três esferas de governo para os avanços conquistados pelo Brasil nos últimos anos. Para ela, o próximo desafio será aperfeiçoar as ações já existentes.

Martínez ONU
Para Martínez-Sóliman , produção de 20 milhões de empregos é absolutamente incomparável

Martínez-Solimán avaliou as políticas de criação de empregos e valorização do salário mínimo mantidas pelos governos do PT nos últimos 12 anos. Segundo ele, a geração de postos de trabalho no Brasil é “absolutamente incomparável”.

“Se você analisa a última década, a produção de empregos em torno dos 20 milhões é absolutamente incomparável. Só a China pode se comparar com o Brasil nesse registro”, afirmou em entrevista ao Blog do Planalto.

O diretor do Pnud lembrou que o Brasil já cumpriu quase todos os Objetivos do Milênio. Em 2000, a ONU estabeleceu oito metas a serem atingidas por todos os países até 2015.

Os Objetivos do Milênio envolvem reduzir a pobreza, garantir ensino básico universal e a igualdade entre os sexos, além da autonomia das mulheres. Também estão previstos a redução da mortalidade na infância, a melhoria da saúde materna, o combate ao HIV/Aids e à malária, a garantia de sustentabilidade ambiental e o estabelecimento de parceria mundial para o desenvolvimento.

“Isso é extraordinariamente difícil de fazer, mas foi feito no Brasil. É um grande êxito para o País e é um grande êxito para o mundo”, disse Solimán.

Por Mariana Zoccoli.

Postado Por: www.itapetinganahora.com.br

 Primeira eliminatória

A Prefeitura Municipal de Itapetinga, através da Secretaria Municipal de Educação e Cultura, pelo seu Departamento de Cultura, convida a todos para a primeira eliminatória do VIII FESTIVAL DE TALENTOS DE MÚSICA DE ITAPETINGA, neste domingo (23/11) a partir das 07:30 h da noite na Concha Acústica.

 Os selecionados para a primeira etapa eliminatória são: Elisa Santos, Hévila, Júlio Alves, Jéssica Guimarães, Lúcio Flávio, Jéssica Chaves, Oni e Thiago, Mara Gil, Washington Gomes, Roseane e Rafael

São 8.000 mil reais em prêmios, assim distribuídos:
1º Lugar R$ 3.000,00 (três mil reais)
2º Lugar R$ 2.000,00 (dois mil reais)
3º Lugar R$ 1.500,00 (mil e quinhentos reais)
4º Lugar R$ 800,00 (oitocentos reais)
5º Lugar 700,00 (setecentos reais)

Vergonha,moradores é flagrados jogando lixo em local publico,nesta quinta feira(20) por volta das 7:hs15 mt moradores é flagrados jogando lixo em passeio de uma escola localizado no  bairro primavera. 

Segundo informação de moradores os cumpres não respeita ate mesmo  moradores  da localidade, quando os mesmos pede pra não joga lixo, nas sua porta sendo ameaçados: Segundo moradores já tem medo de reclamar. 

Moradores comenta  que não aguentar mais da falta de consciência deste povo que não respeita meio ambiente. Não é culpa da prefeitura comenta moradores: A prefeitura limpa e eles suja.

Postado por : www.itapetinganahora.com.br

Nesta quarta-feira uma equipe da secretaria estadual de saúde do estado chegou em Potiraguá com o objetivo de realizar uma auditoria na secretaria do município.

A equipe é composta por três auditores que já começaram fazer um pente fino na secretaria de saúde de Potiraguá. Segundo informações, o prefeito Luís Soares (PT), contratou um advogado da capital do estado para acompanhar a auditoria.

Várias denúncias de irregularidades foram feitas sobre a situação da secretaria de saúde do município. o clima é de tensão no “QG” do governo.

Por : Politico do Sul da Bahia
Postado Por : www.itapetinganahora.com.br




Sindae (Sindicato dos trabalhadores de Aguá e Esgoto-da Bahia)e funcionário do SAAE(Saneamento de Aguá e Esgoto) de Itapetinga por volta das 10hs30 minutos desta Quinta Feira(20) saíram pela centro da cidade, passando pela praça Derivale e Augusto de carvalho  com apitos e o carro de som, manifestando pelo reajusto salarial de 6%porcentos.

O Sindicalista REINALDO GONÇALVES DE SANTANA,DIRETOR REGIONAL SUDOESTE revindicava em um carro de som pelo reajusto salarial dos funcionário do SAAE de Itapetinga.



Na  manifestação, segundo informação o SAAE estar sucateado  e o município pode fica sem Aguá,pela a falta de bomba. A manifestação chamou atenção de curiosos que comentava avinda da Veracel no município,segundo populares o acalipios suga o  Oxigênio.


postado por : www.itapetinganahora.com.br
Foto: IH

A reintegração foi em desfavor de imóveis construídos nas margens da BR-030.

A Polícia Rodoviária Federal,  com o apoio da Policia Civil, realizou na manhã desta terça-feira(18)  o cumprimento de uma mandado de reintegração de posse nas margens da BR-030, no município de Dário Meira. O mandado foi emitido pela Justiça Federal, de Jequié. A nossa reportagem esteve no local, e foi informada por um dos policiais rodoviários participantes da operação, que a solicitação de reintegração de posse foi feita pelo DNIT. O órgão alegou que os moradores fizeram suas construções em um local que não se adequava aos parâmetros exigidos pela lei. 

A Operação atraiu atenção de dezenas de curiosos.(Foto:Giro em Ipiaú)
Apenas três imóveis serão demolidos nesta terça-feira(18), os ocupantes dos demais, 08 no total, pelo fato de pertencer a jurisdição da Justiça Federal de Itabuna, ainda poderão esperar até o julgamento do processo. Segundo populares, existem famílias que moram no local há mais de 20 anos.

Os imóveis foram desmontados aos poucos.(Foto:Giro em Ipiaú)
Para a operação a PRF mobilizou equipes de Operações Especiais, com policiais especializados em Operações Aéreas (helicóptero), equipes de inteligência, Força de Choque, equipes de Atendimento Pré Hospitalar e equipes de motopoliciamento para o cumprimento da decisão judicial. Também participaram da Operação como forças auxiliares importantes para o sucesso da missão a Polícia Militar, Polícia Civil, Coelba, Embasa e Samu.

 O cumprimento do mandado chamou a atenção dos moradores da cidade. Segundo a Polícia Rodoviária Federal, os habitantes das casas que foram destruídas já tinham sidos notificados há cerca de dois anos atrás que não poderiam construir no local. (Giro em Ipiau)

(Foto:Giro em Ipiaú)
Postado Por : www.Itapetinganahora.com.br

Vídeos

EMAIL:eventose.ventosmc@gmail.com